Ilustração de médica com prancheta na mão para ilustrar artigo sobre doença inflamatória pélvica

Doença inflamatória pélvica: conheça os sintomas e tratamentos

15 de mar de 2024
comentários

Você conhece a doença inflamatória pélvica? Explicaremos quais são os sintomas, formas de tratamento e como prevenir. Vem ver!

Relações sexuais desprotegidas, ou seja, sem camisinha, podem acabar trazendo uma série de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs): HIV, HPV, sífilis, gonorreia, clamídia... Algumas dessas, quando não tratadas adequadamente, podem se tornar o que se chama de Doença Inflamatória Pélvica. Vem entender melhor.

 

LEIA TAMBÉM:

 

 Ilustração de mulher de cabelos longos e escuros sentada em um banco com as mãos sobre a barriga, sinalizando dor pélvica

 

O que é doença inflamatória pélvica

A doença inflamatória pélvica, também conhecida com DIP, é uma das causas mais comuns para a infertilidade feminina. Também pode ocasionar outros problemas, como gravidez ectópica (quando o óvulo fertilizado é implantado fora do útero) e dor pélvica crônica.

 

A DIP é causada, em muitos casos, pelo contato com bactérias em uma relação sexual desprotegida, principalmente as responsáveis pela gonorreia e a clamídia. Assim, quando essas duas ISTs não são tratadas, podem evoluir para uma doença inflamatória pélvica.

 

Estima-se que aproximadamente 15% das infecções por clamídia evoluem para DIP e especialistas acreditam que esse número seja ainda maior para infecções por gonorreia.

 

Mas vale dizer que a DIP também pode ser adquirida de outras formas, após algum procedimento médico na região íntima. Entre eles a inserção de DIU (Dispositivo Intra-Uterino), uma biópsia na parte interna do útero durante um exame ginecológico ou uma curetagem (um procedimento que retira material da cavidade uterina).

 

A DIP atinge os órgãos reprodutores femininos, como útero, trompas e ovários.

 

Sintomas da doença inflamatória pélvica

A Doença Inflamatória Pélvica dá sinais. Ela se manifesta com os seguintes sintomas:

 

  • Fadiga (cansaço extremo);

  • Dor nas costas;

  • Vômitos. 

 

Tratamentos para doença inflamatória pélvica

Em casos de DIP leve ou moderada, o tratamento pode ser feito com antibióticos via oral ou por injeção, por cerca de duas semanas

Entretanto, há alguns quadros que fazem com que seja indicada a hospitalização da paciente, como:

 

  • Quando a Doença Inflamatória Pélvica acontecer durante uma gravidez existe a possibilidade de internação;

  • Paciente sem resposta clínica ao tratamento por via oral;

  • Quadro clínico grave, com náuseas e vômitos, ou temperatura acima de 38°C;

  • Sepse (complicação de uma infecção);

  • Presença de abscesso tubo-ovariano.

 

Como se vê, a DIP requer cuidados. Por isso, se apresentar os sintomas e desconfiar que esteja com a Doença Inflamatória Pélvica consulte um profissional da saúde, ok?

 

Para se proteger da doença inflamatória pélvica, lembre-se de usar preservativos!

 

Tati Barros

Jornalista mineira, com mais de dez anos de experiência. É criadora e apresentadora do podcast Solteira Profissional, que aborda o universo de relacionamentos e sexualidade. Produz conteúdos para diversos veículos e formatos, com foco, especialmente, nas editorias de saúde, bem-estar e comportamento. Tem um grande interesse em pautas feministas e sempre está envolvida com essa temática. 


Ficou com dúvidas? Kira Responde

Conteúdos pra você

Vem conversar com a gente!

Que tal trocar uma ideia com a nossa comunidade? Deixe seus comentários e bora aprender juntas!

Comentários

Cadastre-se para comentar e participar!