Qual é o método contraceptivo mais eficaz?
15 de mar de 2022

Qual é o método contraceptivo mais eficaz?

Kira

Uma lista completa com os métodos contraceptivos mais seguros. Vem ver

A vida sexual é uma parte importante do nosso bem-estar, e para isso ela deve ser uma fonte de prazer e de alegria. Sexo não combina com perrengue, e nada melhor - para evitar a preocupação – do que fazer a lição de casa e escolher um método contraceptivo eficaz que te ajude a prevenir uma gravidez não planejada. Vamos falar um pouco sobre a eficácia dos métodos contraceptivos.

 

desenho de várias camisinhas

 

Preservativo ou camisinha (feminina ou masculina): A queridinha, a mais versátil e que você consegue até de graça no posto de saúde. A camisinha é o único método que previne as DSTs ou ISTs (infecções sexualmente transmissíveis) e ao mesmo tempo funciona como método contraceptivo. Ela impede o contato da pele e dos fluídos entre as pessoas e a sua eficácia depende muuuito de saber como usar o preservativo. Colocando a camisinha de forma correta e desde o início da relação sexual, ela tem 98% de eficácia. É importante também sempre guardar a camisinha longe do calor, do sol e de objetos pontiagudos, para evitar estragar o látex. E se você não conhece bem a camisinha feminina, vale se informar.

 

Pílula anticoncepcional: a pílula é uma combinação de hormônios que impedem a ovulação, e, sem ovulação, não há gravidez. Existem hoje diversos tipos de pílula – algumas são com pausa, outras emendam uma cartela na outra e você deixa até de menstruar. A eficácia da pílula, usando direitinho, tomando o remédio todos os dias e no mesmo horário é de 99,7%. Se bagunçar horários, a eficácia cai para uns 91%. Se interessou? Converse com o seu médico para entender qual pílula é a certa para você neste momento de vida.

 

Adesivo cutâneo: é como uma pílula que você gruda na pele – e que dura 21 dias, ou seja, você não precisa lembrar de ficar tomando/trocando! O adesivo libera dois hormônios, a progesterona e o estrogênio, na corrente sanguínea. Colocando sempre um adesivo novo no dia certo a eficácia é de 99,7%, mas errar o dia da troca ou não colocar o novo adesivo corretamente baixa essa porcentagem para 91%.

 

DIU de cobre: o DIU é um objeto pequeno que parece um "T" feito de cobre que é inserido no colo do útero e pode ficar ali por até 10 anos! Ele não permite que os espermatozoides "subam" para fecundar o óvulo e também não deixam o óvulo se fixar no útero. É uma ótima opção para quem não pode tomar contraceptivos com hormônios e a sua eficácia chega a 99,4%. O DIU é colocado pelo ginecologista, na maioria das vezes no consultório mesmo.

 

DIU de hormônio: ele tem o mesmo formato em T do DIU de cobre, mas libera dois hormônios: a progesterona e o estrogênio. Ele também é colocado no consultório do ginecologista e a eficácia de uso é de 99,4%. A duração é de até cinco anos.

 

Anel vaginal: o anel é feito de silicone e você mesma insere no canal vaginal. Ele é como uma pílula, mas que dura 21 dias (parecido com o adesivo, mas fica mais protegido "lá dentro"). As mulheres que usam relatam que nem sentem que ele está lá dentro e esquecem da sua existência. Se for colocado corretamente e trocado na época certa, ele tem eficácia de 99,7%.

 

Implante subdérmico: o implante é como um chip que é colocado embaixo da sua pele e vai liberando hormônio ao longo de muito tempo – ele pode durar até três anos! Ele é colocado pelo ginecologista em uma microcirurgia no consultório mesmo e tem uma taxa de eficácia de 99,9%.

 

Injeções hormonais: as injeções podem ser mensais ou trimestrais e funcionam do mesmo jeito que o implante, liberando hormônios lentamente no organismo. Você pode tomá-las direto na farmácia e as taxas das duas versões são acima de 99%, mas é necessário respeitar a data das aplicações.

 

Tabelinha: esse método não hormonal é beeeem antigo, e consiste em calcular seu ciclo menstrual com a ajuda do calendário menstrual para evitar o sexo desprotegido no período fértil. A eficácia da tabelinha é bem inferior à dos outros métodos, apenas 76%. Recomendamos que você não use apenas a tabelinha, porque o ciclo sempre varia de acordo com o estilo de vida e até com o seu nível de estresse. Se usar a tabelinha, faça uso também da camisinha, que tal?

 

Coito interrompido: basicamente, é quando o casal faz sexo com penetração e o homem não ejacula dentro da ppk. Um pouco antes de sentir que vai gozar, ele retira o pênis. A eficácia não é lá muito boa, e não recomendamos que você confie nesse método. Mesmo antes da ejaculação, o líquido que o pênis produz para lubrificação já contém espermatozoides, mesmo que em uma baixa porcentagem. Sem contar que não é sempre que dá pra esperar todo esse autocontrole do parceiro. É mais seguro usar a camisinha.

 

desenho de uma mão segurando uma camisinha e uma cartela de anticoncepcional

 

A eficácia da maioria dos métodos anticoncepcionais, quando usados corretamente, é muito parecida. Por isso que não existe "o melhor método" contraceptivo, e sim, o melhor método para você. Aquele que tem a ver com seu estilo de vida, que dá menos efeitos colaterais, que é mais prático. Não tenha medo de testar diferentes métodos ou até dois ao mesmo tempo (como pílula + camisinha).

 

Leve essa lista para o seu médico e converse com ele sobre isso. A informação é a melhor forma de fazer uma escolha que pode impactar a sua vida todinha!


Vem conversar com a gente!

Que tal trocar uma ideia com a nossa comunidade? Deixe seus comentários e bora aprender juntas!

Comentários

Cadastre-se para comentar e participar!

Cadastrar-se