Você sabe o que é DST ou IST?
8 de out de 2021

Você sabe o que é DST ou IST?

Kira

Conheça as principais DSTs, ou doenças sexualmente transmissíveis

A saúde sexual é um assunto que interessa a todos os jovens e adultos, homens e mulheres. E é importante conhecer as doenças sexualmente transmissíveis para quebrar estigmas e cuidar ainda mais do seu corpo. Mas, afinal, o que é DST?

 

Estamos com você nesse momento, e vamos te ajudar a entender mais sobre DST e IST. Aliás, vamos começar justamente daqui, do nome que se dá a esse problema.

 

 

Afinal, é DST ou IST? Você já deve ter visto dos dois jeitos, e parece ser a mesma coisa... porque é! Não tem muito mistério: antes a gente falava doença sexualmente transmissível (DST) e passamos a usar infecções sexualmente transmissíveis (IST), porque esse último termo mostra a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo não apresentando sinais e sintomas. Mas mais do que um monte de siglas, chamando de DST ou de IST, as infecções sexualmente transmissíveis podem representar um perigo para a sua saúde - no presente e no futuro.

Veja aqui quais são as principais DSTs

Falar sobre DSTs nunca é fácil, mas estamos com você para quebrar esse estigma. Sua saúde sexual é muito importante, e coisas como cuidar da sua alimentação, praticar esportes e dormir bem são apenas uma parte da lista de recomendações.

Isso porque, falando sobre como prevenir infecções sexualmente transmissíveis, a lista também precisa incluir o uso de camisinha durante a relação sexual.

É importante você entender que as DSTs são transmitidas pelo contato de sangue, saliva ou outras secreções. Pra você continuar sendo essa garota incrível e saudável que é, Kira listou algumas das DSTs mais comuns, os sintomas e a forma de transmissão. É um apanhado de informação. Tá preparada? Prepara o chá, o suco o que for, senta com um tempinho, e dá uma olhada com calma na explicação toda que está aí pra baixo.

Quais os tipos de DST?

Gonorreia e clamídia são doenças causadas por bactérias e que geralmente acontecem ao mesmo tempo, atingindo a região da ppk, a garganta e os olhos. Sim, os olhos também! Os sinais mais comuns que você pode sentir são corrimento vaginal com dor na parte de baixo da barriga. Já os meninos podem ter um corrimento no pênis e dor na hora de fazer xixi. As duas infecções são super simples de tratar com antibióticos, mas se não forem tratadas, podem levar à infertilidade (que é a impossibilidade de ter filhos), gravidez nas trompas (um problema bem sério, porque o lugar certo da gravidez é no útero) e dor na hora de transar, entre outros problemas de saúde. A clamídia pode existir sem sintomas em 80% dos casos em mulheres, por isso que é importante sempre fazer exames, não é mesmo? Existe um exame chamado PCR bastante usado para detectar a clamídia.

 

Herpes genital é um vírus similar ao do herpes que aparece na região do rosto (aquelas bolhinhas que podem aparecer na boca), mas nessa versão as bolhinhas aparecem na região da virilha e da ppk. O vírus do herpes fica adormecido no nosso corpo e as lesões aparecem em momentos em que a imunidade está baixa, ou seja, quando seu corpo está mais fraco. O tratamento para as bolhinhas é feito com remédios antivirais e pomadas. O momento em que você está com as lesões visíveis também é quando o vírus está sendo transmitido, porque quem não está em crise não transmite herpes!

 

Sífilis é a infecção por uma bactéria que provoca feridas e manchas nas mãos e nos pés, que não sangram nem causam dor. A sífilis é simples de tratar, mas sem tratamento as consequências são super sérias. Vale ficar ligada: sífilis pode causar cegueira, paralisia e problemas cardíacos, e a transmissão acontece ao transar sem camisinha com alguém contaminado, ou por contato com sangue contaminado. Sífilis tem cura, mas você precisa se cuidar e buscar tratamento o mais rápido possível.

 

HPV (Papilomavírus Humano) é um vírus que afeta a mucosa (a parte de dentro da ppk é uma mucosa, por exemplo) e a pele, provocando verrugas anogenitais (na região da ppk e ânus), além de câncer, dependendo do tipo de vírus. O HPV é o principal causador do câncer de colo de útero nas mulheres, mas felizmente já existe uma vacina disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) para meninos e meninas de 9 a 14 anos - que junto com o uso de preservativos e os exames anuais (nesse caso, a colposcopia para as mulheres) são as únicas formas de prevenção.

 

 

Hepatite B é outra doença causada por vírus, o HBV, transmitida por sangue contaminado (agulhas ou transfusão de sangue) ou por relações sexuais desprotegidas (sem camisinha) e causa problemas no fígado, de cirrose ao câncer de fígado.

 

Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) é uma doença viral também que ataca o sistema imunológico, aquele responsável pela defesa do nosso corpo, principalmente os linfócitos. Não existe, ainda, uma cura para o HIV, mas os tratamentos com remédios antivirais já conseguem zerar a carga viral dos pacientes com o vírus, permitindo uma vida com poucos sintomas em muitos casos. Com o tratamento certo é possível que uma pessoa infectada não transmita mais o vírus, não é incrível? Na forma avançada da doença, que nós conhecemos como AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), os pacientes ficam extremamente debilitados, fracos. Por isso é tão importante se cuidar e se proteger na hora de ter relações sexuais. E a camisinha é sua melhor amiga nessa hora!

 

Como prevenir os principais tipos de DST?
A camisinha, seja feminina ou masculina, é a principal forma de proteger a sua saúde e das pessoas com quem você faz sexo. Prazer seguro é muito melhor, pode confiar!

 

E vale ficar atenta para colocar a camisinha do jeito certo – não fique com vergonha e nem deixe tudo na mão do parceiro ou da parceira. É a sua saúde, e você já está fazendo uma coisa muito íntima com aquela pessoa, não tem porque não olhar para ver se a camisinha está bem colocada.


Preste atenção na camisinha masculina: coloque antes da penetração, não só na hora que ela vai acontecer (mesmo se o parceiro insistir, não aceite!) e verifique se tem ar na ponta, porque sem esse ar a camisinha pode estourar, daí já era a proteção. Nossos corpos produzem secreções que já podem transmitir ou receber qualquer vírus ou bactéria, então é camisinha colocadinha desde o início da relação, combinado?

 

E quem disse que sexo oral não precisa de camisinha? Ela também protege nessa hora, e todo mundo, meninos e meninas. Para usar em nós, mulheres, tem um truque: ela deve ser cortada, retirando as pontas e formando um retângulo para proteger toda a região da ppk. Vale experimentar as camisinhas com sabor e até mesmo os géis comestíveis para deixar esse momento mais interessante, assim você brinca com as possibilidades, mas sem perder a segurança. Infelizmente, a proteção da ppk na hora do sexo não está tão evoluída quanto a do pênis, o que é um problema já que pensar em sexo seguro deve ser independente da orientação sexual e atender todo mundo.

 

Ah, também vale lembrar que o jeito que os preservativos são guardados pode afetar a qualidade e a segurança do produto. Deixar em lugares quentes ou próximos de objetos com ponstas pode comprometer a embalagem e o próprio látex, que é o material da camisinha. Daí a proteção já era. E não esqueça, sempre, de conferir a data de validade indicada pelo fabricante, ok? Essa aí você não vai querer desrespeitar!

 

Converse sobre principais DSTs com seu parceiro ou parceira

Como, também nesse caso, conhecimento é poder, conversar com as pessoas da sua vida amorosa (vale crush, aquele rolinho fixo e até o mozão) é fundamental: seja transparente sobre tudo o que já aconteceu na sua vida e peça a mesma coisa da outra pessoa. Isso é importante porque, até mesmo no caso de uma candidíase vaginal - que é uma doença bem comum na vida de nós, mulheres - é preciso tratar os parceiros e parceiras sexuais também.

 

Conversar sobre sexo e DSTs aumenta a intimidade e é um sinal de respeito com você e com o outro, sacou?

 

Além disso, se você está se cuidando, quanto antes você souber do diagnóstico, mais chances de sucesso no tratamento de todos. Não é para ter vergonha desse tipo de conversa, tá? Porque é exatamente falando sobre as DSTs e nossa saúde sexual que vamos derrubar todos os estigmas e preconceitos! E se você percebeu que tem alguma coisa estranha, corre pro seu médico!

 


Vem conversar com a gente!

Que tal trocar uma ideia com a nossa comunidade? Deixe seus comentários e bora aprender juntas!

Comentários

Cadastre-se para comentar e participar!

Cadastrar-se